quinta-feira, 31 de março de 2011

O alimento mais completo é o pênis: tem leite, carne, dois ovos e, se consumido com prazer, 
pode encher a barriga por uns 9 meses !
  

Lances da ditadura 2


Segunda metade da década de 70. Já se falava em anistia, alguns presos políticos já haviam sido soltos, mas dois ou três continuavam na cadeia, particularmente aqui no Nordeste, precisamente em Recife.
Em Feira de Santana, eu participava de uma Comissão de Direitos Humanos, que se reunia, na grande maioria das vezes, na Igreja de Senhor do Bonfim, no Alto do Cruzeiro, quando o pároco ainda era o Padre Albertino Carneiro. Reuniões de portas fechadas, é claro.
A comissão foi criada por iniciativa do próprio padre, de Aurélio Miguel, Renilda Daltro, e tantos outros nomes que não lembro agora.
Certo dia, houve uma mobilização pela libertação desses presos políticos de Recife: uma vigília na Capela do Colégio Antônio Vieira, em Salvador. A Comissão de Direitos Humanos de Feira de Santana foi, num ônibus especial. Apenas um ônibus.
Capela superlotada, a vigília durante a noite, muita emoção e, claro, suspense. Lá pra tantas, alguém entusiasmado com a quantidade de pessoas no ato, propôs uma passeata até o Campo Grande. Houve uma aclamação, aprovando a idéia.
Enquanto Padre Fábio Bertoli, diretor do colégio, dizia algumas últimas palavras na vigília, para se iniciar então a passeata, a Polícia Militar apareceu do nado e rapidamente cercou toda a frente do Antônio Vieira, ali no bairro do Garcia, bloqueando os dois grandes portões de acesso.
Todos saíram da capela, segindo Padre Bértoli, que liderou o grande grupo na direção do oficial que comandava a tropa.
- Não tem passeata nenhuma. Os senhores vão sair daí em grupos de 10 em 10, sob nosso controle, se quiserem sair – ordenou o oficial, sem oferecer qualquer possibilidade de diálogo.
Padre Bertoli, então, imediatamente pediu ajuda do grupo de manifestantes para fechar os portões do colégio, de maneira que a PM fosse impedida de entrar.
O clima ficou muito tenso. Palavras de ordem. E a PM observava, impassível, inclusive com cães.
Tivemos que desistir da passeata. Saímos de 10 em 10, enquanto policiais à paisana faziam fotos com filmes ultrassensíveis (sem precisar de flashes).
Padre Bértoli terminou seus dias em Feira de Santana, há uns três anos.
Os gays vão fazer picadinho do deputado Jair Bolsonaro

Alguém pode explicar?

Alguém do Hospital Dom Pedro de Alcântara, em Feira de Santana, vai explicar por que está fechado o serviço de cardiologia? 

E os equipamentos comprados com dinheiro público, do Reforsus, vão continuar sem utilização? E a UTI vai voltar a ficar sem qualquer utilidade?

Esses equipamentos, a UTI, passaram muito mais tempo sem qualquer uso do que propriamente servindo a quem recolhe impostos e sustenta o SUS: o povo. 




                                                                       Foto: Edson Borges
O Palacete das Artes Rodin Bahia, instalado neste casarão de 1912, na Graça, em Salvador.
Os três venenos do mundo: ganância, ignorância e violência.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Lances vividos na ditadura 1

Fatos que possam parecer engraçados mostram, na realidade, o quanto é terrível viver sob uma ditadura.
Meados da década de 70, estava eu cursando administração de empresas na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Os cursos noturnos, entre eles ADM, funcionavam no prédio da antiga faculdade, na rua Conselheiro Franco.
Minha equipe de estudos foi proibida de divulgar um trabalho entre os colegas. Era uma espécie de avaliação dos primeiros passos da UEFS e serviria de avaliação na disciplina Metodologia do Trabalho Científico.
Eu, Wilson Prado (do grupo farmacêutico Drogafarma) e Marta Brumetti, de família tradicionalmente esquerdista, resolvemos panfletar denunciando a censura.
Uma noite, seguimos para o prédio da Faculdade, num Fusca de Wilson, com os panfletos. Quando nos aproximávamos, percebemos uma viatura do 35º Batalhão de Infantaria estacionada bem na porta e dois soldados de guarda. Suspense e medo!
Paramos, Marta se ofereceu pra ir até a faculdade checar o que acontecia.
- Sou mulher, menos visada – argumentou.
Marta demorou cerca de 20 minutos pra voltar. Parecia que já havia passado 1 hora!
De repente, lá vem ela, sorrindo.
- Nada demais, não. O pessoal do Exército taí pra tratar de uma olimpíada que vai ser realizada com a UEFS.
Desistimos de panfletar e fomos tomar uma. Hoje, situação boba. Mas quem viveu a época sabe o drama. 
Madalena Braga, Rainha 2011 do Tracajá.

O Bloco Tracajá, o mais carismático, audacioso e odiado da micareta de Feira de Santana, vai coroar, nesta quinta-feira, a sua Rainha para festa deste ano: a jornalista Madalena Braga, que receberá da cantora Marizelia, rainha do ano passado, a coroa de majestade.

Madalena vai reinar ao lado do “tirano” Silvério Silva, rei do ano passado, que insiste em não entregar a coroa.

Segundo dom Silvério Silva “quem é rei nunca perde a majestade”. Baseado nessa “lei”, ele garante que não entrega a coroa, a não ser que seja “saqueado” por outro rei ou pirata, como nos antigos filmes de Hollywood!

A coroação das majestades será no Bar Resenharia, onde estão ocorrendo, às quintas-feiras, shows do excelente Cescé Amorim com a banda Pé de Lajedo e convidados.

Seria oportuno que o rei, Silvério Silva, apresentasse para o seu imenso público aquele sucesso que ele gravou em 1953 “Pancada certa é no pé do umbigo, homem com homem e mulher comigo”.

Café quente em copinho de plástico tira 70% da tesão do homem. Queima a ponta dos dedos e a língua.

O roadstar, ficar nu e Chico Pinto.

No tempo em que era a maior onda ter no carro um toca-fitas roadstar, um jovem de família bem sucedida de Serrinha resolveu paquerar uma moça muito cobiçada na cidade.
Como nunca levou jeito pra músico e, logo, não tinha condições de revelar sua paixão nas cordas de um violão, o garotão criou a versão moderna da serenata: acionou o roadstar e colocou uma bela e famosa música de Roberto e Erasmo Carlos, intitulada “Vou ficar nu pra chamar sua atenção”.
Tive a honra de conhecer o ex-deputado Francisco Pinto. Tive o prazer de bater longos e longos papos com ele. Ele nunca teve um roadstar e nunca precisou ficar nu pra chamar a atenção do Brasil para a sua dignidade como político e sua luta contra a ditadura militar. Esta, sim, terminou nua, com uma mão na frente e outra atrás.
Um ônibus foi incendiado, na noite de terça-feira, no campus da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), e suspeita-se que tenha sido um atentado praticado por estudantes que protestam contra o aumento na tarifa.
É isso que dá não ter um roadstar ou um Chico Pinto!      

terça-feira, 29 de março de 2011

O capitão Jair Bolsonaro é um velho conhecido. Veja essa entrevista com ele, feita há 11 anos (http://migre.me/48Ywu) e reflita: por que o povo “civilizado” do sul já o elegeu seis vezes? 
José Alencar: o político que teve o respeito até da morte!

A putaria dos prefeitos


Ladeira da Montanha nos tempos bons (Foto:licuri.wordpress.com)
Subi a Ladeira da Montanha sábado passado, por conta da interdição de algumas ruas na Cidade Baixa, em razão do show de Ivete Sangalo. Há anos e anos eu não passava pela velha Montanha.
Lamento não ter vivido o auge da Ladeira da Montanha, do famosíssimo meia-três (63), o brega mais cobiçado dessa velha via da Bahia de antigamente, a Salvador de hoje. Eu era menino pra andar em brega.
A Montanha dá um livro (Será que existe? Alguém conhece?) ou um belo filme. Muito estudante deixou de ser donzelo lá.
Certa vez, quando Antônio Carlos Magalhães, no governo da Bahia, resolveu doar dezenas de ambulâncias para cidades do interior, as putas da Ladeira da Montanha viveram um dia maravilhoso!
Depois da solenidade da entrega dos veículos, muitos prefeitos deixaram de lado a pose de autoridades e foram farrear lá. Imagine que farra não foi...A autêntica putaria com dinheiro público!
Na época, a gente ficou sabendo da folia dos prefeitos por jornais do sul, que tinham sucursais na Bahia. Os daqui não deram um piu.
Pena que a Ladeira da Montanha se acabou. Restam apenas algumas fachadas dos velhos casarões onde muita gente varou noites vivendo alegrias e amarguras da velha Bahia, a atual Salvador.          

Há quem ache cópia muito original

Desastre pra uns, sucesso pra outros!

Censura, expectativa e sucesso. Estas três situações são trigêmeas. O uso delas, a depender do contexto, do objetivo, determina quem pode levar vantagem e quem pode sair em grande desvantagem.

O uso delas é arriscado, deve ser medido, calculado, profissional. Pode render bons resultados, a depender do objetivo.

Mas pode ser um desastre se as trigêmeas forem usadas com forte emoção. Quer dizer: desastre pra uns, sucesso pra outros!   

O radialista e o entrevero canino

Até onde sei, briga de cachorro se separa com um certeiro balde de água nos dois brigões. Mas o radialista Ney Silva, do programa Acorda Cidade, da Rádio Sociedade de Feira de Santana, passou por uma situação emergencial que exigiu uma ação diferente para separar uma desavença canina.

Adepto da prática do chacra (que vem a ser, a grosso modo, regiões energéticas do corpo sensíveis a tratamento com a imposição da mãos) Ney Silva presenciava uma briga entre dois cães, quando sua sensibilidade espiritual indicou que ele deveria se envolver:

- A briga estava sendo desigual. Um cachorro enorme batendo em um outro bem menor. Achei aquilo uma injustiça 

Sem pensar duas vezes, Ney se meteu na briga como quem separa entrevero entre duas pessoas. Como cachorro não tem juízo, os dois cães se viraram contra o justiceiro radialista, que terminou levando a pior. – argumenta o radialista ao narrar o acontecimento.

Ney Silva numa sessão de chacra 

Cadê os oficiais de Feira?

O atual comandante geral da Polícia Militar, coronel Nilton Mascarenhas, foi comandante do 1º Batalhão de Polícia Militar, sediado em Feira de Santana. Mas não lembro que ele tenha feito alguma grande operação contra o tráfico de drogas, como fez agora no Nordeste de Amaralina, em Salvador.

De qualquer maneira, os oficiais de Feira, mesmo tardiamente, deveriam seguir o exemplo do seu comandante geral e partir com força e estratégia pra cima do tráfico na segunda maior cidade do interior da Bahia e, mais do que isso, logisticamente usada pelo tráfico no Norte e Nordeste.

O que estão esperando? 

segunda-feira, 28 de março de 2011

                                                                        Foto: Edson Borges

Boa parte do manguezal do rio Inhambupe, no litoral norte baiano, ainda resiste à depredação. 

Acabou o gás, doutor!

O programa Linha Direta, de Dilson Barbosa, tem uma vinheta própria pra botar o ouvinte no ar: “Levanta a voz!”.
Zadir Porto, produtor e o homem que atende o ouvinte no programa, gosta de aprontar uma de vez em quando. Certo dia, Zadir fez sinal que tinha um ouvinte pra ir ao ar, o operador botou a vinheta e ouviu-se a voz de uma mulher, ao vivo:

- Doutor Dilson, o gás acabou!

- Como? – perguntou Dilson Barbosa, sem entender direito.

- O gás acabou, doutor, e eu preciso terminar o almoço - repetiu a empregada

- Oh, minha senhora, vou lhe dar aqui o telefone de uma companhia de gás, a senhora liga e pede...

- Doutor Dilson, quem tá falando é fulana, empregada de sua casa O gás acabou e eu tou sem dinheiro pra comprar - insistiu a doméstica

Houve uma gargalhada geral no estúdio e Dilson Barbosa providenciou um cidadão pra ir rápido  levar o dinheiro pra empregada comprar o gás.         

sábado, 26 de março de 2011

Homem que gosta de fuxico faz xixi abaixadinho

Polícia ou bandido?

Esta semana, no twitter, o coronel da Polícia Militar Cláudio Brandão estava cobrando da sociedade e dos defensores de direitos humanos posicionamentos a respeito de assassinatos de policiais.

Concordo com o coronel. Mas é preciso, primeiro, verificar as causas dos homicídios contra policiais, caso a caso. Porque esta semana, por exemplo, um deles foi morto por envolvimento com o tráfico de drogas.

Outro exemplo: na operação no Nordeste de Amaralina, morreu o traficante Luis Fernando da Anunciação Cruz, conhecido como Camisinha. Sabe quem é o pai dele? O sargento da PM Luiz Carlos, o Luizão, segundo A Tarde deste sábado.     

Coronel dá tiro no pé

Ao falar da ação policial que está acontecendo no Nordeste de Amaralina, em Salvador, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Nilton Mascarenhas disse o seguinte ao jornal A Tarde:

“Esta é a resposta que estamos dando à demanda da própria comunidade e da Polícia Militar. Resposta ao ataque a um policial ferido no rosto em operação aqui no bairro esta semana”.

Coronel, demandas da comunidade por ações enérgicas e articuladas da polícia contra o tráfico já são bem velhas, desesperadoras até!  

A operação aconteceu depois que o policial levou o tiro no olho. E o coronel, com essa declaração, deu um tiro no pé! 

sexta-feira, 25 de março de 2011

                                                                       Foto: Edson Borges

 Cemitério Bizantino na cidade de Mucugê, na Chapada Diamantina, na Bahia.

Infarto na saúde de Feira

Infarto na saúde de Feira de Santana. O Hospital Dom Pedro de Alcântara já não conta mais com o instituto de cardiologia.

Mais um capítulo da série que dura cerca de 10 anos. Boa parte de tudo montada com dinheiro público, do Reforsus. Outra parte de empréstimo da Caixa Econômica Federal. Mas tudo parece ainda um coração com artérias entupidas.

Sou um irmão omisso da Santa Casa de Misericórdia, que mantém o Dom Pedro. Mas como jornalista não posso ser omisso em não questionar até quando o dinheiro público, em todos aqueles equipamentos e instalações, vai continuar não servindo ao público.   
Estou congitabundo, meditabundo. Em lucubrações sobre fatos nauseabundos que continuam a alimentar os xepas, os rabacuadas, que  nababescamente brigam pra continuar usufruindo do regabofe público, enquanto o povo continua com a gororoba.       

PM do trânsito!

Em Salvador, a Polícia Militar resolveu, finalmente, realizar uma grande operação num dos locais mais perigosos da capital: o Nordeste de Amaralina.
Em Feira de Santana, segunda maior cidade da Bahia, quando é que a PM   vai passar das simples blitze para flagrar apenas motoristas e motociclistas com documentação irregular?    

Gosto por cargos

Na década de 90, um grupo de políticos e empresários de Feira de Santana teve um encontro com Antônio Carlos Magalhães, em Salvador. Um dos empresários me confidenciou, depois, que todos saíram de lá constrangidos, porque ACM reagiu assim aos tímidos pedidos de “melhorias para Feira de Santana”:

- Vocês pedem melhorias pra Feira de Santana, mas não trazem nada de concreto, nenhum projeto, nenhuma meta. Aliás, os políticos de Feira gostam mesmo é de cargos – disse ACM

Bom, independente disso, o ex-governador e ex-senador nunca morreu de amores pela Princesa do Sertão, a segunda maior cidade da Bahia. Por exemplo, adiou o quanto pode a possibilidade da criação da região metropolitana. Outro exemplo: nunca marcou a data para receber o título de Cidadão Feirense que a Câmara Municipal lhe outorgou.

Lembrei dessa história a propósito das queixas que ainda ouço hoje de que o governo do estado faz pouco por Feira de Santana e região. Sem partidarismos, viu!?      
Farinha no Saco também é saúde: Esperma contra a depressão http://migre.me/45Pxd

quinta-feira, 24 de março de 2011

Quem desdenha quer comprar

Circula hoje, na internet, um “grande feito” do Japão: a recuperação de 150 metros de rodovia em seis dias. Aí são feitas as comparações com o Brasil, com as rodovias daqui e de lá, e sempre, é claro, essas comparações são feitas pra depreciar o Brasil.
Somos, sim, um país que ainda carece de muitos aprimoramentos, desenvolvimento aqui e acolá, educação etc. Mas comparar o Brasil com o Japão, um país menor do que todo o estado de Minas Gerais?
Apesar do gigantismo, da triste história de terra colonizada, roubada em suas riquezas pelos “povos civilizados”, sacaneada por ditaduras e por uma dívida externa digna de uma agiotagem sem precedentes, o Brasil tem dado a volta por cima nos mais diversos setores.
O país tem crescido, tem se desenvolvido, apesar dos mal informados e dos omissos que fazem questão de depreciar a própria pátria, fazendo comparações equivocadas e inadequadas, quando deveriam também enaltecer as qualidades que nós temos e se aliar aos que lutam pra melhorar cada vez mais o país.
Essas aves agourentas fazem coro com os “povos civilizados” que continuam querendo meter a mão no que é nosso, desdenhando pra comprar barato.
As primeiras coisas que vocês, omissos e mal informados, deveriam admirar e copiar nos japoneses e nos brasileiros conscientes são o respeito e a disposição de lutar pela pátria. E não apenas 150 metros de estrada. Ou vocês nem sabem o que são 150 metros?      
                                                                       Foto: Edson Borges

Uma vergonha: mansão que serviu de residência universitária da Universidade Federal da Bahia (UFBA) está abandonada no Canela, em Salvador.

O tarado do canivete

Década de 70 em Salvador. O Shopping Iguatemi e arredores só passaram a existir a partir de 1975. Antes, o comércio de roupas e confecções da capital se concentrava, basicamente, na avenida Sete de Setembro, trecho entre o Campo Grande e a praça Castro Alves, bem como nas ruas Chile e Carlos Gomes.
Na época, a Bahia tinha três bons jornais: A Tarde, Jornal da Bahia e Tribuna da Bahia. Boa parte da população torcia o nariz para a chamada página policial, pois quase 100% dos crimes e baixarias aconteciam na periferia, nas favelas, bem diferente de hoje em dia.
Um dos jornalistas de destaques da reportagem policial era Moacir Ribeiro, repórter do Jornal da Bahia. Adorava pegar uma boa história e fazer uma série de matérias, diariamente. E uma delas foi a do denominado Tarado do Canivete.
O Tarado do Canivete tinha algum tipo de perturbação que o levava a atacar mulheres de uma única maneira: aplicar golpes de canivete para marca-las com grandes talhos nas nádegas. 
A população feminina vivia em pânico. As mulheres redobraram a atenção sobre qualquer movimento suspeito na retaguarda, dentro do transporte coletivo ou circulando a pé pelas ruas da cidade.
Às vezes, algum engraçadinho gritava em locais movimentados: olha o tarado do canivete! Rapidamente, algumas corriam pra dentro de casas comerciais e outras tratavam de proteger as nádegas com as bolsas ou encostá-las na parede.     
Até hoje, um enigma: uns dizem que o maníaco nunca foi descoberto e preso. Outros garantem que ele ainda vive internado no manicômio Judiciário. Ainda houve quem dissesse que era um mero boato.
Hoje, as mulheres se sentem ameaçadas pelo tarado do sanitário químico. Será verdade? Será mais um boato? 



quarta-feira, 23 de março de 2011

Homem quem não assume a opinião que tem faz xixi abaixadinho

Uma boa briga na política

Jornalista - Senador, quais as regras de uma boa briga na política?


ACM - A primeira é escolher bem o adversário. Por que vou aceitar briga com um tipo menor? Se tiver que escolher entre Fernando Henrique e seus ministros, escolho Fernando Henrique. Por que iria escolher um ministro? Prefiro sempre o alvo maior. Mas, se não der para ser o Fernando Henrique, por entender que ele não é o responsável pelo caso, brigo com o ministro. Mas não o faço gratuitamente, e nunca o farei.


Trecho do livro Política é Paixão, que traz uma entrevista com o então senador Antônio Carlos Magalhães, feita por cinco conceituados jornalistas brasileiros.  
Vixe! Que vexame pra minha Bahia! http://migre.me/46qCY

Os tarados da Bahia

Geração após geração, avós nobres, filhos ricos e netos pobres.

Uma doença chamada "caga raiva"

Mau humor ou depressão são considerados normais no cotidiano do ser humano. Mas há uma doença conhecida popularmente “caga raiva” que deve ser tratada. Você conhece?
Farinha no Saco também é saúde. Conheça a “caga raiva”:  http://migre.me/44ihr

Atrasos nos Correios

Os atrasos nas entregas de correspondências pelos Correios começaram a prejudicar os cidadãos do sul e do sudeste e só aí o Ministério Público Federal (MPF) começou a adotar providências contra a empresa. Os nordestinos sofrem há anos com o problema e não apareceu nenhuma autoridade para defender a gente, nem mesmo o pernambucano Lula


terça-feira, 22 de março de 2011

Guarda Municipal x estudantes

O vídeo foi enviado por um seguidor do Farinha no Saco. Segundo ele, pra descontrair o dia tenso de manifestações contra o aumento das tarifas de ônibus urbano. “É a Guarda Municipal heroicamente enfrentando a manifestação estudantil”, disse na mensagem.   http://migre.me/45ZO0

Resenhas do Tracajá

As Organizações Tracajá vão apresentar, nesta quinta (24), às 19 horas, no bar Resenharia, na Kalilândia, em Feira de Santana, o show "Ensaios de Cescé Amorim, forró pé de lajedo e convidados". 


Já no dia 31 deste mês, também no Resenharia, acontece a escolha da Rainha do Bloco Tracajá 2011. A cantora Marizélia, que reinou em 2010, vai passar a coroa para a nova majestade.


Quem tem farinha no saco vai!  
Cachorro com osso na boca não pode latir

Censura difunde vídeo

Um juiz de Direito de Santa Catarina determinou que uma consumidora retirasse do ar, num site criado por ela, um vídeo em que a coitada reclama de problemas num carro. Depois que saiu a decisão do aí é que o vídeo esparramou pela internet. E agora? Como proibir que o Meu carro falha pare de correr o mundo pela rede? http://migre.me/45Rbk
Quem não aceita ser corrigido não gosta de aprender

Estudante gosta de polícia

Final da década de 90. Quase mil estudantes fazem uma manifestação na frente da Câmara Municipal de Feira de Santana, a segunda maior cidade da Bahia, contra o péssimo serviço de transporte coletivo.

O presidente do Legislativo, Antônio Carlos Coelho, suspende a sessão, que ainda acontecia à noite. Uns dois vereadores, temendo agressões dos jovens, resolvem sair pelo lado da Casa da Cidadania, pulando uma janela da antiga sala da Assessoria de Comunicação, que ficava bem longe da frente do prédio.

Eu era assessor de imprensa, pedi a palavra na reunião e argumentei:

- É uma vergonha os vereadores de Feira de Santana saírem da Câmara pelos fundos, com medo de uma manifestação de estudantes. Eles estão apenas protestando, gritando. Os senhores vão tomar uma vaia, mas não vai passar disso.

Convenci a maioria. O presidente Antônio Carlos Coelho liderou a saída, pela porta da frente. A vaia foi estrondosa, mas não ocorreu nenhuma agressão física aos vereadores.

Manifestação de estudante não é violenta. E o “orgasmo” é quando a polícia é chamada, porque aí está a prova de que o sistema opressor está presente pra enfrentar meia dúzia de meninos e meninas.

Opinião de quem participou de manifestações estudantis na ditadura militar. Mas tem “liderança” política que não aprende nunca, porque só viveu melancolicamente ao lado do sistema opressor.            

segunda-feira, 21 de março de 2011

ônus intrigante

O que determina elevação nas tarifas de transportes públicos, em todo o Brasil, é o aumento de custos com pneus, combustíveis, salários, veículos, autopeças, ou seja, nada que tenha preços controlados pelas prefeituras.

Mas é curioso como algumas administrações municipais fazem questão de chamar pra si o desgaste político, anual, abrindo a guarda para uma tremenda polêmica.

Isto acontece desde que eu me entendo por gente! A cada aumento, o pau come sobre os prefeitos, mas a administração não traça uma comunicação clara sobre a questão e uma necessária transparência sobre os cálculos. Enquanto isso, o governo federal fica de camarote.    

É intrigante!    

Feira de Santana também curte rock http://www.feiracoletivo.com.br/
                                                                       Foto: Edson Borges
A bela foz do Paraguaçu, o maior rio baiano e um dos mais agredidos do Brasil.

Fingindo de morto...

Tem gente que vive navegando no youtube em busca de coisas idiotas. Não são situações engraçadas, inusitadas, inteligentes, são idiotas mesmo!

Além disso, tem gente que se aproveita do youtube pra tudo. Finge que tá morto, pra comer o coveiro. Cria uma situação imbecil, pra ganhar notoriedade...E, o que é pior, consegue!...porque, na verdade, os idiotas são aqueles que disseminam, com ar de julgadores da suposta idiotice alheia!
Tá na boquinha: programa Farinha no Saco

Fé demais não cheira bem!

Política “do meu umbigo” cultural


O poder público tem que incentivar a disseminação da cultura? Tem. Mas poder público tem que manter, bancar, esse ou aquele compositor, poeta, cineasta, cantor, ator? Não!

Tem gente que não consegue dinheiro público pra porcaria “cultural” que faz e começa a culpar o poder público por falta de “política cultural”...É conversa fiada, sujeito quer é política do “meu umbigo cultural”.

Política cultural não é fulano, nem sicrano, é uma macro riqueza cultural.
Poder público tem que incentivar cultura popular, abrangente, histórica. Senão acaba aí nessa história de blog de R$ 1,3 milhão, ou filme que gasta milhões, também do dinheiro público, pra um monte de gente fazer farra e dizer que tá fazendo cinema.

Quem vive choramingando dinheiro público pra fazer carreira cultural quer, na verdade, é  inventar desculpa pra falta de energia e de competência pra disputar mercado.         

domingo, 20 de março de 2011

Caga raiva

Você já ouviu falar de uma doença conhecida popularmente como caga raiva? Aguarde! Esta semana no Farinha no Saco.
Farinha no Saco também é saúde!
Problemas de fundação ou de afundação? http://migre.me/452Dg
Obama nas alturas!!
Pobre gosta de luxo. Quem gosta de miséria é intelectual.  (Joãozinho Trinta)
                                                                                     
                                                                        Foto: Edson Borges

Mesmo numa metrópole, com milhares de prédios, é possível ser criativo, é possível fazer a diferença.

O autêntico Painho da Bahia

Pai Osias Alves Amorim teria inspirado Chico Anísio?

Natural de Conceição Jacuípe, Berimbau, Osias Alves Amorim jogava um bolão. Entrava nos babas, esculhambava com a agilidade e os dribles rápidos e precisos. Chegou a atuar em alguns pequenos clubes profissionais, mas nunca levou a sério a possibilidade de ser um grande jogador.
Comunista convicto, ardoroso fã do ex-deputado Francisco Pinto, Osias estava com o destino traçado: se tornar pai-de-santo.

Inicialmente, ele ralou na profissão, mas apareceram três padrinhos que fizeram com que a carreira espiritual de Osias disparasse: os jornalistas Zadir Marques Porto e Sérgio Mattos e o fotojornalista Reginaldo Pereira Tracajá.

Reginaldo Pereira produziu uma bela foto (acima) de Osias Alves Amorim, tendo como cenário a sala da casa de Chico Pinto. Zadir Porto se encarregou de produzir matérias sobre o pai-de-santo e 

Sérgio Mattos, editor de A tarde Municípios, abriu espaço no poderoso diário.
O pai-de-santo Osias Alves Amorim ganhou, assim, notoriedade nacional. Passava uma semana em Feira ou Berimbau e o restante do ano viajando por todo o Brasil, conquistando “paz espiritual” para políticos e outras pessoas bem aquinhoadas. Não fazia trabalho pra pobre. Ele costumava dizer: “Não faço feitiço pra pobre, pobre já é um feitiço”.

A partir do sucesso de Osias Alves Amorim, começou a controvérsia, ainda nos anos 80: teria Chico Anísio se inspirado no pai-de-santo de Berimbau para criar o Painho da Bahia?          
Painho da Bahia (de pé) com o petista Gerinaldo Costa; o ex-deputado Colbert Filho e o ex-vereador Messias Gonzaga   
Por mais fina que seja, uma agulha não pode ser escondida. Ela termina espetando alguém.

Crimes contra presidentes

Normal o procedimento de segurança com os presidentes norte-americanos quando eles visitam outros países.

É sempre oportuno lembrar que quatro presidentes dos Estados Unidos foram assassinados (Abraham Lincoln, em 1865; James Garfield, 1881; William McKinley, em 1901; e John Kennedy, 1963) e outros quatro sofreram tentativa de morte (Andrew Jackson, Harry Truman, Gerald Ford e Ronald Reagan).

Mas tem um detalhe que merece ser ressaltado: todas as mortes e as tentativas ocorreram em solo americano. Onde é maquinada toda a segurança dos presidentes.